NA ÍNTEGRA
 
A Harvard Business Review tem o prazer de anunciar os vencedores da edição 2008 do McKinsey Awards. Dois artigos ficaram empatados em primeiro lugar: “Você sabe dizer qual é sua estratégia?”, de David J. Collis e do saudoso Michael G. Rukstad, e “Quando o crescimento estanca”, de Matthew S. Olson, Derek van Bever e Seth Verry. O segundo colocado foi “Reinvente seu modelo de negócios”, de Mark W. Johnson, Clayton M. Christensen e Henning Kagermann.
 
Desde 1959 a McKinsey & Company e a Harvard Business Review entregam um prêmio em reconhecimento aos melhores artigos publicados a cada ano pela revista, material julgado por um painel independente de dirigentes empresariais e acadêmicos.
 
A HBR parabeniza os autores premiados em 2008 e convida o leitor a explorar, no site hbr.org, 50 anos de ideias de alto impacto lançadas por vencedores de edições anteriores do prêmio, entre eles Michael E. Porter, Peter F. Drucker e Gary Hamel.
 
PRIMEIRO LUGAR (EMPATE)
 
 
David J. Collis e Michael G. Rukstad
“Você sabe dizer qual é sua estratégia?”
Agosto 2008
 
Eis um fato que ninguém gosta de admitir: a maioria dos executivos é incapaz de sintetizar de forma simples e clara a estratégia da empresa. E, se o líder não consegue, é óbvio que ninguém mais conseguirá.
 
Neste artigo, dois acadêmicos da Harvard Business School, Collis e Rukstad (já falecido), instam a empresa a formular uma definição clara e concisa da estratégia. A maioria dos executivos, no entanto, sequer conhece todos os aspectos de uma declaração de estratégia, o que impossibilita a tarefa. Ao entender esses elementos, no entanto, duas coisas ocorrem: primeiro, formular o enunciado fica mais fácil, pois o executivo sabe o que está tentando criar; e a implementação se torna bem mais simples, pois a essência da estratégia pode ser facilmente comunicada e assimilada por todo funcionário. Usando a corretora de valores Edward Jones como exemplo, os autores mostram como o processo de definir objetivos, escopo e vantagem de uma estratégia vai obrigar a empresa a fazer trade-offs e a achar o ponto exato no qual suas capacidades e as necessidades do cliente se alinham de um jeito que concorrente nenhuma pode igualar.
 
O artigo mostra que não se deve subestimar o valor da retórica. Palavras podem levar à ação. Uma simples declaração de estratégia com 35 palavras pode energizar o pessoal e melhorar o desempenho da empresa a longo prazo.
 
David J. Collis (dcollis@hbs.edu) é professor adjunto da Harvard Business School, nos EUA, e autor de vários livros sobre estratégia empresarial. Michael G. Rukstad foi alto membro do corpo de pesquisa da Harvard Business School, onde lecionou por muitos anos até sua morte em 2006.
 
 
 
 
Matthew S. Olson, Derek van Bever e Seth Verry
“Quando o crescimento estanca”
Março 2008
 
A queda abrupta e prolongada no crescimento da receita é uma crise que pode acometer até a mais exemplar das organizações. E se a direção for incapaz de reverter tal situação em alguns anos, é pouco provável que a empresa volte a exibir um crescimento saudável.
 
Com base em vastas pesquisas e numa análise desmistificadora, Olson, van Bever e Verry expõem e categorizam as causas mais comuns da interrupção do crescimento. No processo, refutam uma série de teses comuns — entre elas a de que grandes fatores externos, como uma retração econômica, são a causa típica do colapso de empresas. Na verdade, dizem os autores, a maior ameaça de todas ao crescimento da empresa são decisões equivocadas sobre a estratégia ou a estrutura organizacional.
 
Os autores apresentam uma ferramenta para ajudar o executivo a se proteger desses riscos e a testar continuamente se sua visão estratégica é correta. Impactante, o artigo mostra que evitar a interrupção do crescimento deve ser uma das grandes prioridades da pauta estratégica da empresa.
 
Matthew S. Olson (olsonm@executiveboard.com) é diretor executivo do Corporate Executive Board, rede que congrega dirigentes das maiores empresas e organizações do mundo e tem sede na capital americana, Washington. Derek van Bever (vanbeverd@executiveboard.com) é diretor de pesquisa da entidade. Seth Verry (verrys@executiveboard.com) é diretor sênior da rede. Olso e van Bever são autores de Stall Points (Yale University Press, 2008).
 
 
 
SEGUNDO LUGAR
 
 
 
Mark W. Johnson, Clayton M. Christensen e Henning Kagermann
“Reinvente seu modelo de negócios”
Dezembro 2008
 
Uma empresa que a certa altura não se reinvente inevitavelmente vai sofrer as consequências. Numa economia turbulenta, sacudida por rupturas no mercado, a reinvenção virou questão de sobrevivência. Com efeito, um estudo recente mostra que dois terços dos presidentes de empresas acreditam que seu modelo de negócios precisa ser seriamente alterado.
 
É triste constatar, portanto, que pouquíssimas companhias entendem seu modelo bem o bastante para ajustá-lo de modo a explorar novas oportunidades. Para esclarecer as coisas, o artigo de Johnson, Christensen e Kagermann vem a calhar. O trio dá uma definição prática de um termo que causa muita confusão — “modelo de negócios” —, apresenta um guia para o executivo saber quando é hora de jogar fora o modelo velho e traçar um novo e faz uma descrição das barreiras que a organização ergue para fugir dessa tarefa.
 
Modelos novos, revolucionários, já transformaram setores inteiros, redistribuindo no processo bilhões de dólares em valor. A dobradinha iPod e iTunes Store, da Apple, é um belo exemplo de como uma inovação sagaz no modelo de negócios pode levar a empresa à liderança do mercado. Mas, como mostram os autores, negócios realmente transformadores nunca têm a ver exclusivamente com a descoberta e a comercialização de uma grande tecnologia ou um grande produto. Seu sucesso está em envolver isso tudo num modelo de negócios adequado e poderoso.
 
Mark W. Johnson (mjohnson@innosight.com) é presidente da Innosight, consultoria de inovação e estratégia que fundou em 2000 com Clayton M. Christensen (cchristensen@hbs.edu), titular da cátedra Robert and Jane Cizik Professor of Business Administration da Harvard Business School, nos EUA. Os dois são radicados em Boston. Henning Kagermann (henning.kagermann@sap.com) é co-presidente da SAP AG, na Alemanha. Johnson é autor de Seizing the White Space: Business Model Innovation for Transformative Growth and Renewal, a ser lançado agora em 2009 pela Harvard Business Press.
 
 
 
JÚRI
A HBR gostaria de agradecer ao corpo de jurados de 2008 pelo excelente trabalho realizado.
 
[ júri 2008 ]
 
Mara G. Aspinall
Ex-superintendente
Genzyme Genetics
EUA
 
Cathy Benko
Vice-presidente do conselho e diretora de talentos
Deloitte LLP
EUA
 
Jeff Hyams
Diretor de estratégia para Europa, Oriente Médio e África
Mediaedge:cia
Inglaterra
 
Olli-Pekka Kallasvuo
Presidente executivo e do conselho
Nokia
Finlândia
 
Gary Leih
Presidente executivo e do conselho
Ogilvy Group UK
Inglaterra
 
Laura Liswood
Secretária-geral
Council of Women World Leaders
The Aspen Institute
EUA
 
Robert A. McDonald
Diretor de operações
Procter & Gamble
EUA
 
Mary Minnick
Sócia
Lion Capital
Inglaterra
 
Youngme Moon
Professor de administração
Harvard Business School
EUA
 
Daniel Nye< /div>
Ex-presidente
LinkedIn
EUA
 
Judy D. Olian
Reitora e professora de administração
UCLA Anderson School
of Management
EUA
 
 
A HBR tem o prazer de anunciar o corpo de jurados da edição 2009 do prêmio.
 
[ júri 2009 ]
 
Elizabeth J. Altman
Vice-presidente de desenvolvimento de negócios
Motorola
EUA
 
Vivienne Cox
Vice-presidente executiva e presidente
Alternative Energy
BP
Inglaterra
 
Patricia Fili-Krushel
Vice-presidente executiva de administração
Time Warner
EUA
 
Jean-Pierre Garnier
Presidente
Pierre Fabre SA
Presidente aposentado
GlaxoSmithKline
França
 
Jeffrey Immelt
Presidente executivo e do conselho
General Electric
EUA
 
Dwaine Kimmet
Vice-presidente de serviços financeiros
Home Depot
EUA
 
Rita Gunther McGrath
Professora associada
Columbia Business School
EUA
 
Michael Shih-ta Chen
Diretor executivo
Asia-Pacific Research Center Harvard Business School
Hong Kong
 
Russ Smyth
Presidente executivo e do conselho
H&R Block
EUA
Share with your friends









Submit