Seus méritos são percebidos na empresa onde trabalha? Pergunte a si mesmo se você impõe respeito porque lhe devem isso ou, melhor, porque você realmente o conquistou. Muitos almejam alcançar posições de chefia, onde os outros cumprem suas ordens. Considero essa atitude lamentável, sobretudo quando alguém age assim com iniciantes ou pessoas que estão abaixo na hierarquia. Respeito tem que ser merecido. Não se trata de título.

Quem segue um líder somente por causa de sua autoridade tende a oferecer o mínimo. No entanto, algumas pessoas incrivelmente brilhantes são experts em obter respeito. Mas, para a maioria falta essa aptidão. Então, o que fazer? Confira três preciosas dicas:

Mostre paixão pelos objetivos da organização e invista nisso constantemente. Pessoas são atraídas por líderes apaixonados e, em geral, desejam segui-los.

Demonstre confiança. Muitos em posição de autoridade têm dificuldade de passar a sensação de segurança, principalmente para a equipe. É importante mostrar para o seu chefe que você está no controle, mas sem esquecer que essa mesma firmeza também precisa ficar clara para aqueles que se reportam a você.

Envolva sua equipe. A confiança tem que ser merecida. Não basta convocar uma reunião, dizer às pessoas o que fazer e, em seguida, se trancar em sua sala. Você também precisa estar aberto para expor suas fraquezas e pedir ao seu pessoal para te ajudar a lidar com elas. Ninguém espera perfeição, por isso, não segure muito firme as rédeas; permita que a equipe trabalhe com você.

Ingressar na Red Hat representava um desafio para mim. Eu seria respeitado como líder? Confiariam em mim? Eu tinha licenciatura em ciências da computação e considerável experiência como líder, mas sem prática em TI corporativa. Não haveria como esconder isso em uma cultura bastante interativa e aberta como a da Red Hat. No entanto, descobri que ser franco sobre o que não dominava, na verdade, teve o efeito oposto do que eu imaginava: ajudou-me a construir credibilidade. Minha equipe percebeu que eu não iria fingir saber o que não conhecia e, portanto, era mais provável que me dessem o benefício da dúvida quando eu falava com segurança. Não é preciso saber de tudo o tempo todo. De fato, as pessoas esperam que os líderes sejam sinceros.

Informar o que não domina é essencial para cultivar credibilidade. Mas tão importante quanto é contribuir com seu conhecimento e experiência de uma forma que privilegie mais as necessidades coletivas e menos os seus interesses individuais. Na Red Hat, uma das piores experiências é ser ignorado nos tópicos de discussão interna, não receber feedback negativo nem positivo. “De fato, essa é uma péssima resposta”, alertou-me Kim Jokisch, diretor da equipe de comunicação. “Isso significa que não querem falar com você, provavelmente porque falhou em algo”.

De qualquer forma, o objetivo não é simplesmente gerar mensagens e respostas. Não é isso que constrói a confiança. Pelo contrário, o que conta é o seu verdadeiro propósito. “As pessoas ‘farejam’ sua intenção por aqui”, conta Emily Stancil Martinez, membro da equipe de comunicação corporativa da Red Hat. “Se o seu objetivo é apenas meter o nariz em cada pequena coisa somente para se destacar, as pessoas vão perceber e tomar nota. Mas se você interfere no intuito de realmente contribuir coletivamente tende a ganhar reconhecimento e credibilidade”.

No entanto, esse processo pode ser frustrante para quem acabou de chegar, exige paciência. Uma pessoa recém-contratada — ainda mais se ainda não tiver construído uma reputação na comunidade de código aberto — simplesmente não vai exercer a mesma influência. Isso nem sempre parece justo. Como resultado, algumas boas ideias provavelmente nunca serão ouvidas. Muitos entusiasmados chegam acreditando que seus argumentos terão o mesmo valor de outros que estão há mais tempo, até perceberem que boa parte do que falam passa batido. Assim, esses funcionários podem rapidamente se desinteressar e deixar a empresa ou, pior, se tornar opositores da cultura organizacional.

Parte da solução é definir expectativas e esclarecer que ganhar credibilidade leva tempo e exige trabalho duro. Imagine vender algo no Mercado Livre: sem histórico de transações ou boa reputação, talvez fique difícil encontrar compradores interessados em seus produtos. A confiança não vem do dia para a noite. É preciso ter paciência e dedicação, atitudes que nem todos apreciam. Veja algumas dicas que ajudam a facilitar esse processo.

 

  1. Não use frases como “o chefe quer assim”, nem dependa de posições na hierarquia. Embora isso possa gerar resultados no curto prazo, tende a restringir a discussão, algo essencial na construção de uma meritocracia.
  2. Reconheça publicamente grandes esforços e contribuições. Pode ser um simples e-mail de agradecimento com cópia para toda a equipe.
  3. Avalie se a sua influência está relacionada com a sua posição na hierarquia (ou com o acesso a informações privilegiadas) ou se tem a ver com o respeito que conquistou. Se o seu caso for o primeiro, comece a trabalhar nisso.
  4. Solicite feedback e ideias sobre temas específicos de forma proativa. Você deve responder a todas, mas implementar somente as adequadas. E não basta ter os melhores insights e seguir em frente; aproveite todas as oportunidades para reforçar o espírito de meritocracia, dando crédito a quem merece.
  1. Recompense um membro de alto desempenho de sua equipe com uma tarefa interessante, mesmo que seja em uma área em que a pessoa não esteja acostumada.

Este post foi adaptado do “The Open Organization: Igniting Passion and Performance”.

 

Jim Whitehurst é presidente e CEO da Red Hat, fornecedora líder mundial de produtos e soluções de código aberto para empresas de TI. É autor do livro The Open Organization, (HBR Press, 2015). Siga Jim no Twitter em @JWhitehurst.

 

Share with your friends









Submit