O americano médio no auge da idade produtiva dirige mais de 24 mil quilômetros por ano. Para esses motoristas, a ideia de não ter um carro é ridícula. Como passam várias horas por dia em trânsito, não é nenhuma surpresa que muitas vezes eles fiquem obcecados com que tipo de carro possuem e que caminho fazem para ir ao trabalho.

Mas, apesar da importância da cultura do carro hoje, uma ruptura plantou firmes raízes no setor de transportes. Inovações no compartilhamento de trajetos e do automóvel e no transporte de longa distância estão nos aproximando mais rápido do que nunca de um mundo em que a propriedade de carros é uma escolha, e não uma exigência.

As empresas que entram de cabeça nesse enorme mercado estão encontrando rapidamente tanto uma variedade de clientes quanto enorme acesso a financiamento. Empresas como Uber e Grabtaxi rapidamente tornaram-se dominantes. Mas, mesmo com o surgimento de grandes atores globais, ainda há muitas oportunidades para novos agentes disruptivos do transporte para reivindicar novos nichos no mercado.

Para os potenciais investidores, empresários e qualquer pessoa com interesse em se deslocar até o seu destino, a pergunta de um bilhão de dólares é, “Como vai ficar o mercado depois que a poeira abaixar?” Embora o mercado seja enorme, algumas abordagens para sua revolução são melhores do que outras. E desenvolver uma tese sobre o futuro dessa indústria é particularmente desafiador. Para fazer qualquer tipo de previsão, você precisa considerar as mudanças no compartilhamento de infraestrutura de transporte, a revolução dos carros sem motoristas, e a dramática evolução para a arquitetura elétrica e híbrida dos carros. O impacto de qualquer uma dessas tendências representa uma mudança de maré. Pensar sobre os três simultaneamente cria uma experiência de reflexão que talvez não vejamos novamente por muito tempo.

É fácil prever que o futuro do transporte será muito diferente do seu presente. Mas como será esse futuro? Para colocá-lo em foco, é útil se voltar a uma indústria ortogonal: tecnologia da informação, especificamente a computação em nuvem.

Há 20 anos, o mundo tinha apenas uma vaga ideia de como a internet iria revolucionar a TI. Quando Marc Benioff introduziu o “Software como Serviço”, céticos surgiram de todos os cantos da indústria. Era heresia afirmar que as grandes empresas, com soluções de hardware e software altamente customizadas, iriam mover seus recursos para centros de dados de outras pessoas. ScS pode ser uma solução decente para as pequenas empresas que não podem pagar a sua própria infraestrutura, mas nunca seria atraente para aquelas com exigências mais complexas.

Nós sabemos como essa história se desenrolou. Hoje, a nuvem não é apenas o modelo de entrega preferido para aplicações. Em vez disso, a nuvem permeia tudo em tecnologia da informação. A infraestrutura em nuvem oferece uma infraestrutura flexível e compartilhada para recursos de computação e armazenamento. Quase duas décadas de inovação em hardware e software se passaram desde que a ScS surgiu. Fornecedores de nuvem têm trabalhado diligentemente para assegurar que toda essa inovação estejam disponíveis para cada um de seus clientes. Com anos de P & D, existem muitos poucos casos de uso que não podem ser replicados, a partir de servidores alugados em datacenters da Amazon, Salesforce ou Microsoft, com muito mais flexibilidade e menos dor de cabeça.

O transporte parece estar seguindo um caminho muito semelhante à computação em nuvem. Alugar um veículo para um transporte ponto a ponto com o clique de um botão (Uber) é muito parecido com alugar uma capacidade dentro de um servidor para hospedagem na web (Amazon Web Services, ou AWS). Hoje, é uma reivindicação absurda argumentar que estamos perto do ponto em que não precisamos mais ter carros. Em algumas décadas, ter um carro vai ser muito menos crucial.

Alguns fatores influenciam isto. Primeiro, o mundo está cada vez mais urbano. Há 50 anos, cerca de três em cada dez pessoas no mundo viviam em cidades. Hoje é mais do que cinco de dez, e isso cresce rapidamente. Mais pessoas em áreas densamente localizadas significa que o custo do estacionamento irá subir cada vez mais, desestimulando a posse do carro. Ao mesmo tempo, mais pessoas vivendo perto do trabalho significa que se tornará mais fácil usar o transporte público.

Em segundo lugar, nós estamos chegando cada vez mais perto do ponto em que o aluguel não trás nenhum transtorno. A internet móvel está tornando o processo de acessar recursos sob demanda barato e fácil. A mão invisível de Adam Smith está recebendo um pouco de assistência da AT&T, do GPS, dos satélites e de uma série de fornecedores de aplicativos. Esta facilidade de acesso ao transporte só vai aumentar quando tivermos uma frota de veículos autônomos circulando pelas estradas. À medida que as tecnologias melhoram, os benefícios relativos de propriedade do carro vão diminuir.

É verdade que apenas uma pequena parcela da população pode realmente ver os serviços de transporte disruptivos como substitutos reais para a posse do carro no mercado de hoje. No entanto, parece inevitável que as inovações venham a tornar essa opção atraente para um grupo cada vez maior de pessoas ao longo do tempo. A Uber já demonstrou como isso ocorrerá ao adicionar carros de todas as variedades: carros com assentos para criança, acessibilidade para cadeiras de rodas, e SUVs para grupos maiores. Para novos pais que não podiam usar o serviço antes, Uber é finalmente uma opção. Para as pessoas que às vezes precisam de acessibilidade, de um SUV, ou querem apenas fazer um passeio de sedan, é uma das melhores opções.

Tal como acontece com todas as ruptura, os fornecedores de transporte em nuvem têm todo o incentivo financeiro para inovar de formas que lhes permitam servir os clientes mais exigentes ao longo do tempo. Também haverá tropeços nesse caminho. Nós estamos vendo alguns deles quando fornecedores travam batalhas com os reguladores sobre o estatuto profissional dos motoristas. Mas as vantagens dos serviços em nuvem de transporte são demasiadas grandes para ignorar. Apesar dos tropeços, os consumidores continuarão a procurar transporte sob demanda. Com o tempo, os serviços em nuvem de transporte irão oferecer soluções que ajudarão mais e mais pessoas a minimizar a propriedade de carros – seja abandonando seus carros completamente ou indo de uma casa com dois carros para outra com apenas um.

As guerras de computação em nuvem começaram com foco em compradores no mercado de pequenas empresas que não podiam pagar por soluções de TI caras. Serviços em nuvem de transporte começaram com foco em moradores urbanos que só adquiriam carros como um luxo pessoal. Com o tempo, a computação em nuvem adicionou os recursos e funcionalidades que lhe permitiram competir nos ambientes mais complexos. Não há dúvida de que os inovadores no transporte vão seguir o mesmo caminho.

Maxwell Wessel é um capitalista de risco no Sapphire Ventures, membro do Fórum para o crescimento e inovação e um investidor anjo ativo no NextGen Angels.

Share with your friends









Submit