Fazer esta pergunta para si próprio, seja você gestor, líder, colaborador ou até mesmo empreendedor é bastante difícil.

Da mesma forma que na vida privada é muito difícil para uma pessoa aceitar que ela tem alguma doença. E o mesmo efeito ocorre no mundo empresarial. Dificilmente você aceitaria que sua empresa tem uma doença que poderá leva-la a morte. Consegue sim, aceitar que tem um resfriado aqui, outra dor acolá, mas algum mal maior sempre é desconsiderado. Sempre falta consciência para se aceitar e tomar uma decisão preventiva quando ainda não se sentem as dores.

Fazer um diagnóstico certeiro sobre a doença de sua empresa é tão difícil quanto aceitar que se está doente em nossa vida pessoal. Muitas vezes só mesmo com um médico especialista capaz de diagnosticar uma enfermidade com precisão. E bem sabemos que é sempre difícil tomar a decisão de ir a um médico bem como trazer alguém que diagnostique qual o verdadeiro mal de uma organização.

Quantas vezes as coisas não vão indo bem e você já pensou em fazer um checkup? Mas acaba sempre deixando para depois. E de repente algum dia você percebe que não tem mais jeito, e sai correndo procurando ajuda.

Será que sua empresa está doente? Convido você a fazer um zoom em sua empresa. Mesmo se as vendas estiverem indo bem, se sua equipe estiver feliz, faça essa observação comigo. É um convite a fazer um check-up. Vamos do macro ao micro. Olhe a empresa por fora, observando como o mercado todo a vê, e vá chegando mais perto, entre pela recepção, note tudo nos mínimos detalhes, como normalmente na correria do dia a dia você nunca o faz.

Já dentro da empresa, observe como as pessoas agem, interagem e se comportam. Faça isso em vários momentos distintos e de diferentes ângulos. Você a cada passo estará conhecendo uma nova realidade, uma nova verdade, uma nova visão de sua empresa e de você mesmo.

Observe como funcionam os departamentos, como se fizéssemos um ultrassom de nossos órgãos internos analisando se cada órgão está atuando corretamente. Se não estiverem, comece a observar se a empresa tem processos escritos e que possam ser reaprendidos ou reajustados. Muitas vezes os organismos internos vão se ajustando enquanto que a organização como um todo não toma conhecimento dos detalhes, e os processos originais acabam se transformando ou se burocratizando.

Fazendo este ultrassom, também analise como fluem as informações dentro da sua organização.  E avalie quanto tempo um colaborador fica ao telefone buscando informações ou perguntando ao colega ao lado. Se ele está pedindo ajuda é porque está sofrendo na busca de algo importante para o seu trabalho!  Como sua empresa poderá ajuda-lo a obter tais informações? E você se sente angustiado com esta situação? E quanto tempo é gasto respondendo emails? Quantos são aqueles que respondem emails para se livrar do mal-estar que sentem toda vez que veem sua caixa de entrada cheia?

Se você sente alguma dor no estomago, comece a melhorar a qualidade da sua alimentação. Não esqueça o velho ditado popular, dê ouvidos a orientação dos mais velhos.

Se aparece uma febre é como se o ambiente estivesse ficando quente demais, a rádio peão se manifestando sem ser ouvida pelos dirigentes.

Uma dor de garganta vem quando o pessoal fala além do limite politicamente correto, ou uma dor de ouvido aparece quando os funcionários não têm mecanismos para comunicarem as suas aflições.

Quando você se sente isolado dentro da organização ou até de seu próprio departamento é como se estivesse sofrendo de diabetes, necessita de contínuas doses de informação para se integrar de alguma maneira ao todo.

Se você não encontra as informações que precisa facilmente, a dor de cabeça começa a aparecer.

A falta de controle de seu trabalho faz a pressão aumentar.

As neuroses também aparecem quando a informação chega distorcida até você.

Sem falar nas alergias, um mal que aflige grande parte da população e nas empresas aparece sempre que houver dificuldade de comunicação ou falta de empatia com colegas que você tenha que atuar em equipe.

E como fazer para se sentir imune a todas estas situações?

Se você também sente esses sintomas provavelmente sua empresa está sofrendo de algum distúrbio, síndrome ou crise. De novo, não se desespere. Existe cura para esta doença das organizações atuais: a melhor integração das pessoas, a identificação das lideranças internas, a organização das informações de forma a poder consulta-las a qualquer momento e a valorização das informações relevantes para a empresa, farão com que este mal se acabe.

Tome uma atitude. Procure o médico e aplique o remédio certo para sua empresa, pois esta desorganização das informações internas que você enfrenta é como se fosse um câncer. E se você deixar como está não enxergará a cura, e a cada dia ficará pior.

 

Julio Augusto Vidotti 

CEO da NewAgent, empresa desenvolvedora de plataforma de Comunicação Empresarial NewAgent, desenvolveu carreira na IBM, foi fundador da BPsolutions, é Alumni AMP da Harvard Business School, e membro do HBS Alumni Angels Club Brazil.

A NewAgent fornece ao mundo corporativo uma plataforma para o gerenciamento eficiente das informações que circulam dentro das companhias, criando o enterprise-BRAIN, ou seja, “cérebro” empresarial com todo conhecimento existente e impactando de maneira positiva no aumento da produtividade dos colaboradores, denominada de Rede Empresarial.

Share with your friends









Submit